News

(Trans)formação é a chave contra o preconceito


Um bate-papo com parte da equipe do filme “The Kiss”.

Savannah Burton (como Bettina) e Denise DeSanctis (como Ms. Williams). Foto: Valter Vilar.

Bárbara de la Fuente é atriz, produtora e roteirista de cinema

Joffre Faria Silva é cineasta e roteirista

Savannah Burton é atriz e atleta canadense

Os curtas-metragens possuem um poder único de apresentar e discutir assuntos importantes num curto espaço de tempo. Apesar de não serem apresentados nas salas comerciais, os curtas viajam o mundo passando seu recado, através de inúmeros festivais de cinema.

Locação do filme “The Kiss”. Foto: Valter Vilar.

Filmado numa escola histórica de Toronto, o filme The Kiss trata de preconceito, moralismo e sexualidade. Reunimos as atrizes Savannah Burton e Bárbara de la Fuente e o diretor Joffre Faria Silva para um bate-papo:

Jornal de Toronto O filme The Kiss tem sido super bem recebido nos festivais; em grande parte pela bela produção, direção, fotografia e atuação de todos. Mas, além disso, há o tema, que é muito importante para os dias de hoje. Como tem sido a reação do público?

Savannah – Estou encantada que o filme esteja sendo exibido em vários países ao redor do mundo. É uma história importante sobre aceitação e revela o que é ser LGBT na década de 1950. Ver uma história como esta nesse período é rara. Transexual nem sequer era uma palavra naquela época. Os transexuais mantiveram suas identidades verdadeiras escondidas do mundo, sem nunca terem a chance de ser quem eram, o que é algo terrivelmente triste.

Joffre – Penso que a recepção positiva do filme tem a ver com a forma como o roteiro trata uma questão delicada e de extrema importância. Embora a história se passe nos anos 50, ela possui toda uma estrutura que reflete a realidade dos nossos tempos.

Bárbara – O comentário em comum do público é que é um assunto que precisa ser discutido, precisa ser mostrado. Acho que o fato do filme se passar 60 anos atrás faz as pessoas perceberem que não mudou nada. Como dizia Belchior, “ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.

Savannah – Hoje é um pouco melhor do que era na época, pois há mais e mais pessoas saindo do armário, o que torna tudo mais fácil para as gerações futuras. Se ver representado na vida pública, ter nossas histórias contadas e sermos mostrados em todas as facetas da vida é crucial para a aceitação e compreensão social.

JdeT Vocês acham que a questão homossexual (e transexual) é ainda um tabu?

Bárbara – Sim, ouço as pessoas falarem que são modernas, que aceitam as diferenças, mas essa posição aberta é muito da boca pra fora. Sexualidade é um assunto que as pessoas não discutem, ficam envergonhadas de falar a respeito. Acho que a falta de informação é o que cria esse tabu.

Joffre – Certamente. É um tabu porque lida com um assunto que ainda é desconhecido por muitas pessoas. Desconhecido talvez não seja a melhor palavra nesse contexto, mas é com certeza um assunto que muitos preferem ignorar ao invés de investigar com maturidade e compreensão. Ouve-se muito a expressão “não me importo que ele (ou ela) seja gay, contanto que o seja entre quatro paredes”. Acredito que essa maneira de pensar exemplifica da melhor forma como muitas pessoas preferem ver, ou não ver, o homossexual.

Savannah – Infelizmente ainda existem países no mundo onde é ilegal ser gay ou transexual, e onde a punição é a morte. Mesmo no Canadá, somente neste ano de 2017 que foram criadas proteções federais para transexuais – adicionadas ao código de direitos humanos (Bill C-16). Este fato é algo que surpreende e, infelizmente, passou despercebido pela maioria da população. Ainda há grandes barreiras para os transexuais no que se refere ao emprego, ao acesso à saúde e habitação.

JdeT Há diferença entre a homofobia no Canadá e no Brasil?

Bárbara – A homofobia existe nos dois países, sem dúvida. Acho que no Canadá ela é politicamente correta, as pessoas não declaram esse preconceito.

Joffre – Dizer que não existe homofobia em qualquer lugar do mundo seria uma grande farsa. A homofobia está presente sim. A questão é que ela surge em pequenas ou grandes proporções, diferenciada pela educação e instrução do homofóbico. No Canadá, há uma força extremamente positiva e eficaz lutando contra a homofobia e criando condições para que as pessoas entendam melhor a questão e mudem sua maneira de pensar. Ainda há um longo caminho a percorrer; porém, os frutos são palpáveis. Já no Brasil, embora tenham acontecido grandes melhorias nessa área, muito ainda precisa ser feito.

Bárbara – No Brasil, o culto do machão torna a homofobia violenta. O Brasil tem um índice altíssimo de assassinatos de homossexuais (um dos maiores do mundo), o que é muito triste.

Joffre – Essa estatística é deprimente e nos coloca diante da necessidade de uma mudança radical.

Barbara de la Fuente (como Mrs. Tancredi, mãe do aluno Paul), David Emanuel (como professor Baker) e Denise DeSanctis (como a diretora Williams). Foto: Valter Vilar.

JdeT No filme, a mãe e a diretora são, de maneiras diferentes, vítimas da pressão social, que as impedem de agir como gostariam. De que maneira, hoje, vocês sentem essa pressão?

Joffre – Essa pressão é sentida por qualquer pessoa que se engaja na luta contra o preconceito e a discriminação. Eu particularmente sinto essa pressão e tento achar uma forma de lutar contra ela através daquilo que escrevo ou crio. Muito da minha arte, seja através de roteiros ou na direção de um curta como o The Kiss, traz um chamado a essa mudança, a fazer algo em prol da luta contra o ódio e a indiferença àqueles que se enquadram em classes minoritárias.

Savannah – Ser transexual é, em si mesmo, se confrontar com as pressões sociais ou as “normas sociais”. É parte da razão pela qual há, ainda nos dias de hoje, um tratamento público tão horrível para os transexuais. Há uma falta de compreensão de quem são os transexuais e as pessoas temem o que não entendem.

Bárbara – Tudo que é diferente assusta, é visto com maus olhos. Infelizmente, a sociedade ainda vê como “normal” só o heterossexualismo, então quem não pertence a esse grupo, acaba sofrendo a pressão para mudar. Quando pensei no filme, queria retratar que, apesar de vivermos em 2017, reproduzimos a mesma sociedade de nossos pais e avós. Ainda existem pessoas que têm medo de se declararem homossexuais, de se assumirem como são e, nesta constatação, vemos o quanto essa pressão é forte.

Savannah – Um dos maiores obstáculos que os transexuais enfrentam, e estão tentando combater, são os estereótipos negativos e falsos que têm sido mostrados na mídia há décadas. Os transexuais têm sido retratados como vítimas, vilões ou alguém a ser zombado. Precisamos desesperadamente ter uma representação positiva na mídia.

 

Leia também “Quando muito, só por um beijo, crítica do filme escrita por Alexandre Dias Ramos.

 

Sobre Jornal de Toronto (89 artigos)
O Jornal de Toronto nasce com o intuito de trazer boa notícia e informação, com a qualidade que a comunidade merece. Escreva para a gente, compartilhe suas ideias, anuncie seu negócio; faça do Jornal de Toronto o seu espaço, para que todos nós cresçamos juntos e em benefício de todos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s