News

Um começo repentino


Para sua primeira exposição no Canadá, o artista português Carlos Bunga foi convidado a produzir dois grandes trabalhos para o Museu de Arte Contemporânea de Toronto.

"Paisagem", instalação de Carlos Bunga no Hammer Museum, Los Angeles, 2011. Cortesia do artista, Galería Elba Benítez (Madri) e Alexander and Bonin (Nova York). Foto: Brian Forrest_Bow Bridge Communications.

Rui Mateus Amaral é curador adjunto do Museu de Arte Contemporânea de Toronto

Carlos Bunga é um nômade. Nas últimas duas décadas, o artista português, baseado em Barcelona, atravessou o mundo, erguendo estruturas colossais e íntimas que ele denominou Ruína (2008), Paisagem (2011), Mausoléu (2012), Ágora (2012), Capela (2015) e, mais recentemente, Catedral (2019).

Ágora, instalação de Carlos Bunga no Museu de Arte Contemporanea de Serralves, Porto, 2012. Cortesia do artista, Galería Elba Benítez (Madri) e Alexander and Bonin (Nova York). Foto: Filipe Braga_Bow Bridge Communications.

Projetadas com papelão, fita adesiva e tinta doméstica, as construções da Bunga são improvisadas e temporárias. Uma vez realizadas, elas lembram modelos arquitetônicos em escala humana, abrigos temporários e ruínas modernas. Surgidas a partir de um convite para responder à arquitetura existente, cada um de seus projetos oferece uma experiência singular, na qual espaços alternativos abrem espaço para novas possibilidades. Embora cada um de seus projetos seja distinto e fugaz, eles são sustentados pela prática corporal do artista e pelas memórias daqueles que os experimentam.

“Deterritorialización”, instalação no Casas Rigner Gallery, Bogotá, 2013. Foto: Oscar Monsalve_Bow Bridge Communications.

Para sua primeira exposição no Canadá, Bunga foi convidado a produzir dois grandes trabalhos específicos para o Museum of Contemporary Art Toronto Canada (MOCA). Inspirada na simplicidade da arquitetura do museu e no ritmo de suas colunas, Bunga enfatiza e desafia a fisicalidade da estrutura. Suas instalações formidáveis e sua sensibilidade nômade aprofundam sua longa investigação sobre alguns dos assuntos mais comoventes de nosso tempo: estabilidade, certeza e permanência.

Incorporadas à exposição estão várias novas esculturas feitas com móveis de origem local – mesas laterais, escrivaninhas, molduras douradas e armários – que são retrabalhadas em paisagens urbanas pintadas.

Potencializando ainda mais o projeto de Bunga, estão os curtas-metragens de rupturas performáticas – o esmagamento de uma lâmpada, o rompimento de uma parede – cada um dos quais expressando o potencial de uma ruptura de ser tanto um começo repentino quanto um sinal de fim.

A exposição acontece de 6 de fevereiro a 10 de maio no Museum of Contemporary Art Toronto Canada (158 Sterling Rd., Toronto, próximo da Dundas West Station).

Sobre Jornal de Toronto (486 artigos)
O Jornal de Toronto nasce com o intuito de trazer boa notícia e informação, com a qualidade que a comunidade merece. Escreva para a gente, compartilhe suas ideias, anuncie seu negócio; faça do Jornal de Toronto o seu espaço, para que todos nós cresçamos juntos e em benefício de todos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s