Uma longa jornada até os cinemas

Épica jornada de brasileiro que cruzou as Américas a cavalo estreará nos cinemas de Toronto

Foto: Mythic Productions.

Alexandre Dias Ramos é editor

Apesar de eu ter sido curador de três festivais de cinema por alguns anos e trabalhado como set dresser em uma série de curtas-metragens, não me considero um crítico de cinema. Portanto, estou nesse meio do caminho entre um leigo, apenas um sujeito que ama assistir filmes, e um quase-especialista cinematográfico.

Assistir ao filme The Long Rider, dirigido por Sean Cisterna, me trouxe de volta aos velhos tempos do bom documentário. Sim, porque já não é de hoje que qualquer um pode pegar sua câmera e “ajuntar” cenas e inscrever seu “filme” no festival de cinema mais próximo. Como curador, devo dizer que pouco mais de 20% dos documentários inscritos são minimamente aceitáveis. The Long Rider é muito mais do que isso, pois junta uma história forte e comovente, com todas as camadas de determinação, dificuldades e resiliência que uma narrativa como essa pode oferecer, com uma qualidade técnica inquestionável. Parabéns para o Sean!

Com a maior parte do filme gravada em cima de um cavalo – e aqui é preciso parabenizar Filipe Masetti Leite, que fez um excelente trabalho filmando seus 8 anos de jornada –, e inserções de cenas de apoio, incluindo a inestimável participação de Cuchullaine O’Reilly, fundador do “Long Riders’ Guild and Fellow of the Royal Geographical Society”, a cinematografia é excelente. A consistência da fotografia, feita por Filipe, e o profissionalismo da edição e montagem de Lee Walker, que trabalhou sobre mais de 500 horas de filmagem, criaram esse extraordinário documentário de 96 minutos.

Foto: Mythic Productions.

Para nós, brasileiros vivendo aqui no Canadá, o filme traz muita reflexão, seja pela realidade dura do processo de imigração e adaptação que Filipe também enfrentou, seja pela busca do pertencimento a um determinado lugar (que já não é sua casa nem lá nem aqui) e, junto, o vazio e o medo da solidão que nos atravessa a todos. Filipe fala que a solidão era um de seus maiores medos, e foi justamente cavalgando sozinho, por anos, que ele a enfrentou. “Somente sentindo a pressão da solidão na pele que você consegue ter a dimensão do que é ser um long rider”, diz Filipe a certa altura do filme. O’Reilly fala do quão perigoso é cruzar longas distâncias a cavalo, e conta sobre sua própria experiência passada, e de outros que tiveram azar ainda maior. Filipe deixou que sua paixão por cavalos, e a história contada em um livro por seu pai, o levasse a superar seu medo, e partir para uma jornada inspiradora.

Começando pelo Canadá, foram 25.000km(!), cruzando outros 11 países (Estados Unidos, México, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Peru, Bolívia, Brasil, Uruguai e Argentina), e nesse longuíssimo percurso o “Cavaleiro das Américas”, como ficou conhecido, aprendeu muito sobre os entraves entre fronteiras e a estupidez da burocracia, mas também sobre a solidariedade de pessoas desconhecidas e a beleza das coisas simples.

Filme imperdível.

O filme The Long Rider passará em Toronto de 24 de Junho a 7 de Julho (no Cineplex Yonge-Dundas), e também terá uma jornada épica pelos cinemas do Canadá: Calgary, AB (Cineplex Eau Claire); Edmonton, AB (Odeon South Edmonton); Langley, BC (Cineplex Langley); Vancouver, BC (International Village); Winnipeg, MB (McGillivray Cinema); Halifax, NS (Cineplex Park Lane); Ajax, ON (Cineplex Ajax); Barrie, ON (Galaxy Barrie); Guelph, ON (Galaxy Guelph); Niagara Falls, ON (Niagara Square Cinemas); Oakville, ON (Cineplex Winston Churchill); Ottawa, ON (Odeon South Keys); Peterborough, ON (Galaxy Peterborough); Scarborough, ON (Odeon Eglinton Town Centre); Sudbury, ON (Silvercity Sudbury); Thunder Bay, ON (Silvercity Thunder Bay); Regina, SK (Cineplex Normanview); e Saskatoon, SK (Scotiabank Theatre Saskatoon).

Sobre Alexandre Dias Ramos (25 artigos)
Alexandre é editor-chefe do Jornal de Toronto, mestre em Sociologia da Cultura pela FE-USP, doutor em História, Teoria e Crítica pela UFRGS, e membro-pesquisador da Universidade de São Paulo. É editor há 20 anos e mora em Toronto, Canadá.

1 comentário em Uma longa jornada até os cinemas

  1. Parabens Alexandre por mais essa materia. Nao vejo a hora de todos verem esse filme incrivel. Abcs e muito obrigado eplo apoio de sempre.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: