News

Honestidade é o básico


No jogo da vida, confiar em seus parceiros é o primeiro quesito. Senão, definitivamente, não dá.


José Francisco Schuster é colunista do Jornal de Toronto

No jogo da vida, confiar em seus parceiros é o primeiro quesito. Senão, definitivamente, não dá. Estar o tempo inteiro desconfiado de que estão trapaceando, armando pelas suas costas, traz um estresse enlouquecedor. É necessário ter a paz de espírito de que estão todos no mesmo time, jogando para o mesmo lado, em busca de uma vitória coletiva, não de ganhos pessoais.

Na infância, nada mais irritante do que aquele que abre os olhos ou começa a correr antes do sinal combinado. “Não dá pra jogar contigo”, é a emburrada reação de quem não encontrou lealdade. Nossos pais vão ensinando o valor de ser honesto, mesmo diante de nossas carências financeiras. O sono tranquilo por ter-se feito o que se deveria fazer não tem preço.

Na cultura brasileira, entretanto, embrenhou-se em muitos a ideia do supremo individualismo, de obter vantagens indiscriminadas, passando por cima de princípios éticos e morais. Ficou conhecida como “Lei de Gérson”, remetendo ao que o jogador argumentava em um comercial de cigarros de 1976: “Gosto de levar vantagem em tudo, certo?”. As raízes, entretanto, são muito mais profundas, vindo desde as Capitanias Hereditárias e a consequente criação do coronelismo, sistema que se baseia em troca de favores.

Tristemente, o Brasil se tornou o país onde alguém que fura fila ou devolve troco a menos se julga esperto. O pior é que não parecem ser raras exceções: nada menos do que 190 mil militares solicitaram – e receberam! – o auxílio emergencial de R$600 (pouco mais de US$100) criado para amparar os que ficaram sem renda com a pandemia de Covid-19, em um prejuízo de R$114 milhões aos cofres do governo.

O número depois foi reduzido pelo governo para 73 mil, o que não muda muita coisa. Não foi um, 100 ou mil que passaram a perna no governo, foram milhares e milhares. Uma horda que não se penaliza por um segundo pelo governo estar usando dinheiro que não estava no orçamento e que é para os necessitados – sendo que os militares têm alguns dos melhores salários do serviço público. Enquanto isso, muitos dos que realmente precisam ainda não receberam e ainda necessitam virar a noite em longas filas para regularizar cadastros.

A penalidade para estes militares será devolver o valor recebido indevidamente. Fala-se pouco em processos administrativos e penais que, seguramente, não darão em nada. Mas não eram logo os militares os paladinos da justiça? Faça um Google, porém, e encontrará uma montanha de relatos sobre a corrupção no período da ditadura militar. Os R$ 600 para estes militares pouco pesam em seu orçamento, o que lhes importa é a satisfação de ter passado a perna no governo, mesmo que temporariamente – quantas outras coisas jamais serão descobertas?

Vejam a ousadia de tentar o golpe, sendo que o governo que oferece o auxílio é o mesmo que roda suas folhas de pagamento, sendo portanto facílimo o cruzamento de informações. E quantos outros mais estão recebendo o auxílio indevidamente, sem que o governo tenha detectado? Com tantos escândalos, este é apenas mais um na história do Brasil, e acabará esquecido.

Me alegra que no Canadá a vontade de aproveitar-se indevidamente de mínimas situações não chegue nem perto disso. Um pedestre tem prioridade para cruzar a rua em relação a um carro que custou milhares de dólares. Objetos perdidos geralmente retornam às mãos de seus donos. Não há um número significativo de abusos ao auxílio emergencial daqui, pelos relatos da imprensa. Um exemplo simples, que retrata bem a diferença, é o de terem decorado o jardim (sem grades, claro) de uma residência de idosos de Toronto com dezenas de belos cataventos coloridos, provavelmente feitos pelos próprios moradores, para o último Dia das Mães. Fincados na grama por um simples ferrinho, passam-se os dias e eles continuam todos lá. Ninguém pega, ao menos que se note. Assim dá pra jogar.

 

Sobre José Francisco Schuster (37 artigos)
Com quase 40 anos de experiência como jornalista, José Francisco Schuster atuou em grandes jornais, revistas, emissoras de rádio e TV no Brasil. Ao longo dos últimos 10 anos, Schuster tem produzido programas de rádio para a comunidade brasileira no Canadá, como o "Fala, Brasil" e o "Noites da CHIN - Brasil", cujas 186 entrevistas podem ser ouvidas em podcasts aqui em nosso site.

3 comentários em Honestidade é o básico

  1. Embora queira acreditar que atitudes como estas são exceções, fiquei estarrecida por saber que há brasileiros solicitando o auxilio emergencial do governo do Canadá e do Brasil!

    Curtir

  2. Pura verdade. Belo texto.

    Curtir

  3. É muito triste e Frustrante como Brasileira, passar por isso, assistir, e acompanhar… Nos brasileiros sabemos a potência do nosso país, o quanto ele é bonito e rico e sabemos que infelizmente o nosso País muitas vezes se tornam inabitável por falta de Governantes que tenham lutem por uma boa administração, invistam em mais fiscalizações e que se importem literalmente com o País e com os quem habitam nele, mas infelizmente nao é o caso da maioria que os governam, pois o egoísmo e a doença desse jogo de tirar vantagem em tudo para favorecer a si mesmo vai muito além da honestidade e do Patriotismo.

    Viviane Santana

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s