Conversa Fora 30 _ Amélia é que era mulher de verdade?

A música “Ai que saudade da Amélia” ficou com a pecha de machista, e a Amélia como símbolo da mulher submissa. Seus compositores, Mário Lago e Ataulfo Alves, juram que o sentido da música é outro, e esse episódio tenta trazer alguma luz a essa controvérsia.

Seja como for, esse samba se tornou um clássico, e sua influência, para aclamá-lo ou combatê-lo, criou desdobramentos inusitados, trágicos e poderosos. Esse é, sem dúvida, um episódio imperdível.

Você também pode acompanhar nossos podcasts pelo SpotifyApple PodcastsAmazon Music, Google Podcasts ou Stitcher.

Músicas: “Ai que saudade da Amélia”, por Mário Lago (1973), pelo Gabriel o Pensador e Fundo de Quintal; por Ataulfo Alves (1942); “Amélia de você”, de Elena e Eliane de Grammont; “Desconstruindo Amélia”, de Pitty; e “Não Precisa Ser Amélia”, de Bia Ferreira.

Como BONUS, segue um raro relato do próprio Ataulfo Alves, de 1969, contando sobre a composição e gravação da música “Ai que saudade da Amélia”, e em seguida uma belíssima interpretação:

Seguindo o estilo “banquinho e violão”, segue um vídeo de Bia Ferreira cantando a potente música “Não Precisa Ser Amélia”:

Não deixe de ouvir nossos outros episódios:

Sobre Jornal de Toronto (701 artigos)
O Jornal de Toronto nasce com o intuito de trazer boa notícia e informação, com a qualidade que a comunidade merece. Escreva para a gente, compartilhe suas ideias, anuncie seu negócio; faça do Jornal de Toronto o seu espaço, para que todos nós cresçamos juntos e em benefício de todos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: