News

O feminino amazônico


A poderosa força na maneira como as mulheres lidam com a vida na Amazônia.

Tamakwera Parakanã com sua família, em imagem do filme "River Silence", dirigido por Rogério Soares. Foto: Ricardo Matias.

Rogério Soares é documentarista

A exploração das Américas pelos europeus foi baseada na destruição de todo um sistema cultural e espiritual, pelo medo. A natureza do lugar, desconhecida e misteriosa, seus habitantes selvagens, o clima e relevo, os mosquitos, as doenças tropicais, as intempéries, o gigantismo, a espiritualidade e conexão cósmica com os elementos, tudo ia contra o que eles conheciam e dominavam racionalmente.

O impulso de dominar foi, desde o início, uma luta pela posse de territórios físicos, mas também míticos. Repetimos os erros do passado quando olhamos para a Amazônia, um dos últimos lugares a ser “conquistado”, um processo que se faz presente diante de nossos olhos e que trilha os mesmos caminhos de nossos antepassados.

Francinete Novaes, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), em Belo Monte, Altamira. Foto: Rogério Soares.

Não foram as mulheres que construíram esse padrão de comportamento. Ao contrário, quando analisamos a presença feminina na Amazônia nos deparamos com uma energia conciliadora, de vibração amorosa de acolhimento e também de luta. Grande parte dos movimentos sociais na Amazônia estão nas mãos de mulheres. Ativistas, quebradeiras de coco, donas de casa, lideranças indígenas, mães, parteiras, o universo feminino amazônico que se descortina na contemporaneidade se contrapõe à visão masculina e individualista que ali imprimimos historicamente.

Há uma poderosa força e uma linguagem totalmente diferente da que conhecemos na maneira como elas lidam com a vida na Amazônia. É um vocabulário que não reconhecemos, de conexões que já desaprendemos. Um novo olhar, como no movimento das Sementeiras, que colhem sementes das plantas da região e preservam, trocam, plantam, colhem os frutos da sua natureza. Há uma poderosa simbologia neste ato de preservar sementes, que são a nossa própria essência. São coisas que devemos aprender: a força da Amazônia é uma mulher.

Crianças de Tamakwera, em Altamira. Foto: Rogério Soares.

Rogério Soares trabalha documentando questões ambientais e de direitos humanos na Amazônia. Seu último filme, River Silence, teve lançamento mundial no Hot Docs Festival de Toronto, no mês passado, e foi premiado com uma Menção Honrosa. O filme foi coproduzido pelo EyeSteelFilm e National Film Board of Canada, em associação com a TVO.

Sobre Jornal de Toronto (424 artigos)
O Jornal de Toronto nasce com o intuito de trazer boa notícia e informação, com a qualidade que a comunidade merece. Escreva para a gente, compartilhe suas ideias, anuncie seu negócio; faça do Jornal de Toronto o seu espaço, para que todos nós cresçamos juntos e em benefício de todos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s