News

Brasil retrocede ao não apoiar pesquisa


A crise econômica e cortes sucessivos de orçamento estão entre os fatores responsáveis pela decadência da ciência brasileira.

O professor emérito da Universidade Federal de Pelotas, Dr. Cesar Victora, na cerimônia de entrega do "John Dirks Canada Gairdner Global Health Award", em Toronto. Foto: Centro de Epidemiologia Ufpel / Fundação Gairdner.

José Francisco Schuster é colunista do Jornal de Toronto

Dois recentes fatos denotaram a atenção do Canadá à pesquisa brasileira. Um foi o esforço da prefeitura de Mississauga de trazer para a cidade o centro de pesquisa e desenvolvimento da gigante farmacêutica brasileira Biolab, atraída pela agilidade na aprovação de pesquisas e novos produtos e pela forte cultura de inovação no Canadá, em um investimento de $56 milhões de dólares canadenses. O outro foi o epidemiologista Cesar Victora, professor emérito da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), ter recebido o John Dirks Canada Gairdner Global Health Award pelas suas pesquisas sobre os reflexos da amamentação exclusiva na inteligência, produtividade, renda e escolaridade.

Isto ocorre no momento em que a crise econômica e cortes sucessivos de orçamento estão entre os fatores responsáveis pela decadência da ciência brasileira. Entre os estudos afetados estão as pesquisas de doenças neurológicas, como Alzheimer e mal de Parkinson, o programa espacial e a pesquisa agrícola. Para o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu de Castro Moreira, a pesquisa no Brasil está sob forte ameaça, decorrente do corte de verbas determinado pelo governo Temer, ao sofrer um contingenciamento de 44%, além da defasagem já existente.

As dificuldades não são novidade: o professor Victora lembra que começou seu trabalho na década de 80 com muito pouco dinheiro brasileiro. Aliás, a primeira verba que recebeu foi do Canadá, que apoia a pesquisa em países de renda média ou baixa. Na década passada, porém, excepcionalmente, o Brasil concedeu muito financiamento para a pesquisa, tendo formado muitos pesquisadores e PhDs.

“Já hoje está uma crise enorme, há poucas bolsas de estudos”, relata o professor, que testemunhou em pessoa a consequência. “Vi na Universidade de Toronto uma série de jovens pesquisadores que o Brasil mandou para cá para passarem seis meses; o Brasil pagou a bolsa, pagou a passagem, e eles não voltam porque as condições lá não estão muito boas. Quando o cara é bom, a universidade aqui o atrai. As universidades do Canadá estão cheias de brasileiros. É uma fuga de cérebros”, lamenta Victora, cujo próprio filho hoje é pesquisador na Universidade Rockfeller, em Nova Iorque, onde conta com laboratórios e equipamentos caros que não conseguiria no Brasil.

Como sair disso? “Na década de 50, terminada a guerra, a Coreia do Sul estava arrasada, muito pior do que o Brasil hoje. Investiu em pesquisa, ciência e tecnologia e hoje possui empresas do porte de Samsung, LG, Hyundai e Kia.”, aconselha o professor, lastimando que até hoje o Brasil não tem nenhum Prêmio Nobel.

Sobre José Francisco Schuster (12 artigos)
Com mais de 35 anos de experiência como jornalista, Schuster atuou em grandes jornais, revistas, emissoras de rádio e TV no Brasil. Foi, durante 8 anos, âncora do programa "Fala, Brasil", e agora produz e apresenta o programa "Noites da CHIN - Brasil", na CHIN Radio.

1 comentário em Brasil retrocede ao não apoiar pesquisa

  1. Sou seguidora do jornalista José Francisco Schuster, por longos anos. Tenho muito orgulho desse Pelotense.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s